domingo, 12 de setembro de 2010

diário da tua ausência

"quando queremos estar próximos de alguém de quem gostamos, as palavras nunca se gastam. como nunca se gastam os beijos, as mãos que se aconchegam, os corpos que se tocam, as bocas que se comem, alimentando-se uma à outra. nunca se gasta a pele nem o olhar porque o desejo que é alimentado pelo amor não é como a paixão, o amor nunca se cansa. como canta a rita lee, sexo antes, amor depois. Na mesma canção, ela também canta sexo é escolha, amor é sorte, lembras-te? quando te conheci e percebi que gostavas de mim, senti-me a rapariga com mais sorte do mundo. podia ir contigo para qualquer lado, porque sempre me soubeste agarrar de uma forma que, sei-o agora, nunca ninguém me agarrou: na rua, nas lojas, no cinema, à entrada dos restaurantes, sentados à mesa, no elevador do hotel, na cama, antes de dormir. e durante o sono, a noite inteira, como duas alianças encaixadas numa só."

2 comentários:

  1. Já li esse livro da MRP e é dos mais belos da autoria dela! Lembro-me perfeitamente desta passagem, tão verdadeira :')

    ResponderEliminar